Paisagem industrial de Curitiba é foco de semana de palestras gratuitas sobre patrimônio

Gazeta do Povo
28/05/2019 20:10
Thumbnail

Moinho Anaconda, inaugurado em 1957, segue em atividade até hoje. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo | Leticia Akemi

Qual a importância dos prédios das antigas fábricas e usinas que continuam de pé para a história de Curitiba? A paisagem industrial da cidade como um bem cultural a ser preservado é o foco da nova exposição “Um olhar sobre o patrimônio e a paisagem industrial do Rebouças”, que busca valorizar o tema junto a uma semana de seminários gratuitos com nomes de peso na área e uma visita guiada pelo bairro.
A mostra é um dos resultados da pesquisa realizada pelo Projeto Arquivo/Arquivo Industrial — grupo que cataloga e tornam públicas informações sobre o patrimônio histórico de Curitiba. O projeto é coordenado pelas arquitetas e professoras da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Giceli Portela e Iaskara Florenzano, e já teve mais de 560 alunos participantes desde sua criação, em 2011.
Sede administrativa da companhia de erva- mate Leão Junior, no Rebouças. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo
Sede administrativa da companhia de erva- mate Leão Junior, no Rebouças. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo
O patrimônio industrial do Rebouças foi o foco do projeto durante o ano letivo de 2018. No primeiro semestre, os 88 alunos das disciplinas de restauro, ministradas pelas duas professoras, começaram a levantar dados do bairro. No segundo semestre, Florenzano abriu uma vertente do projeto de pesquisa que focou apenas em aprofundar o estudo sobre o patrimônio industrial.
“Eles realizaram uma pesquisa documental mais profunda para tentar entender o que é o Rebouças. Começaram por dados históricos, ciclos econômicos, dados cadastrais e legislação, até chegar a temas específicos, como a influência da construção da estrada de ferro na região”, explica a pesquisadora.
Parte dos resultados desta pesquisa vai integrar a exposição. Ela irá apresentar dados e maquetes de cinco fábricas que compõem essa paisagem. A mostra será inaugurada no dia 5 de junho (quarta-feira), e fica em cartaz até 30 agosto. Ela acontece de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, no novo Centro Cultural do Sistema Fiep – Unidade Dr. Celso Charuri (Rua Paula Gomes, 270).

Seminários gratuitos

A semana da inauguração da exposição também conta com uma série de seminários gratuitos que vão se aprofundar sobre a valorização da paisagem industrial de Curitiba. A programação vai de 5 a 8 de junho e inclui nomes de peso na área de conservação do patrimônio da cidade.
Um dos destaques é um percurso guiado pelo Rebouças, destacando obras do patrimônio industrial do bairro. O passeio vai sair da Praça Eufrásio Correia às 10h30, e será acompanhado por Florenzano e alunos do Projeto Arquivo. O percurso tem 1h30 de duração.
O evento é realizado pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) e Serviço Social da Indústria (Sesi).

Contrapartida social

A exposição também vai contar com uma contrapartida social. Alunos do Sesi e da Fiep farão visitas guiadas à exposição durante os meses de julho e agosto. A intenção é fazer um laboratório de restauro com as turmas. “Eles vão produzir um material a partir do que eles aprenderam, vão criar a partir do que experimentaram na exposição. É uma forma de devolver o conhecimento para a sociedade, criando empatia. Amanhã, esses alunos vão estar interessados em fazer a pesquisa avançar”, conclui Florenzano.

LEIA MAIS

Enquete

Você sabe quais são as vantagens de contratar um projeto de arquitetura para sua obra de reforma ou construção?

Newsletter

Receba as melhores notícias sobre arquitetura e design também no seu e-mail. Cadastre-se!