Negócio

Arquitetura

“A arquitetura é fundamental em um restaurante”, aponta Lalo Zanini, um dos maiores nomes do mercado gastronômico; confira entrevista

Sharon Abdalla
09/02/2024 10:33
Thumbnail

Apreço pela estética está presente desde cedo na vida do empresário. Na foto, Luce | Lalo Zanini/Divulgação

É muito provável que você, leitor, já tenha frequentado um estabelecimento gastronômico que leva reconhecidamente a assinatura ou que já tenha passado pelas mãos, e pela inventividade, de Lalo Zanini. Um dos maiores nomes do setor gastronômico no país - e responsável pela liberação do Absinto, entre tantas outras inovações -, ele já montou mais de cem casas no Brasil e no exterior e se autodefine como um “montador serial de restaurantes”. 
O segredo de tamanho sucesso e reconhecimento? Uma mente inquieta, curiosa e o entendimento de que um bom estabelecimento não se faz somente com um cardápio de excelência, mas, especialmente, com um projeto arquitetônico, paisagístico e de design de interiores que transmita pelo ambiente o conceito e o valor daquele negócio, que proporcione ao cliente uma experiência completa e marcante. 
Em conversa exclusiva com HAUS, Lalo resgata seu histórico de sucesso, sua relação vinda de berço com a estética e detalha a relevância da arquitetura no desenvolvimento dos seus restaurantes. Confira na íntegra!  
Lalo Zanini, a mente criativa por trás de mais de cem restaurantes no Brasil e no exterior.
Lalo Zanini, a mente criativa por trás de mais de cem restaurantes no Brasil e no exterior. | Divulgação

HAUS - Você é um dos principais nomes quando se fala sobre gastronomia do ponto de vista dos negócios. Quantas unidades está operando atualmente? 

LZ - Neste momento, seis unidades de restaurantes. E estou abrindo mais três casas. 
Eu venho da moda. Comecei na moda muito menino, trabalhando com os meus irmãos. Com 17, 18 anos, fui trabalhar com a Glorinha Kalil, na Fiorucci. Depois, fui trabalhar com a Neza Cesar e com a Traudi Guida, que depois fundaram a Le Lis Blanc, e encerrei minha carreira na moda na Forum, que foi a minha grande escola de vida, como gestão, como modelo de negócio. Acabei migrando para a gastronomia quando saí da Forum e fui morar na Califórnia. Lá, fui passando por todos os cargos até chegar à gerência. Voltei ao Brasil e montei minha primeira casa, sempre com olhar tanto em moda quanto na arquitetura.
Sempre entendi que arquitetura era algo muito importante. Acredito que hoje em dia, não na minha época, a boa gastronomia virou uma coisa obrigatória. Eu comecei no final dos anos 1980, em Los Angeles, [época em que] a gastronomia não era tão forte no Brasil. Não havia sushi que não fosse de japonês, não havia um monte de coisa. E graças a Deus, por pegar a “piscina azul”, acabei introduzindo muita coisa no mercado nacional. 
Vou fazer um parêntesis: a primeira vez que eu entrei no Fasano, lá atrás, quando o Fabrizio inaugurou [...] eu tomei um choque arquitetônico, pois foi das casas mais lindas que vi na minha vida, [a união] de arquitetura com gastronomia. Aquilo mudou minha vida, [...] mudou meu olhar para o mundo do que eu queria ser. Eu falei: eu quero ser isso! E mesmo com o movimento do Fasano, que era um movimento único, não havia ninguém investindo na arquitetura, não era uma coisa relevante, as pessoas não se importavam. Você tinha aquele padrãozinho: mesa, toalha, quadrinhos na parede, um som meio cafona. 
Eu comecei… não na minha primeira casa, mas na segunda, a Sushi Company - a primeira casa de sushi que não era de japonês no Brasil -, já fiz uma arquitetura muito diferente, com pé-direito duplo, louças que mandei fazer com um cara que desenhava veleiros… Foi um cuidado estético e vi que isso pegou, porque uma das coisas que mais elogiavam era a arquitetura ou a ousadia arquitetônica. 
Na sequência eu montei o Limone, um divisor de águas em São Paulo. O Limone foi o primeiro restaurante para jovens no Brasil. Ele tinha pratos de alta gastronomia, uma arquitetura muito agressiva, som um pouco mais alto [...] Na sequência, a Companhia Asiática, que arquitetonicamente era diferenciadíssima. Trouxe móveis da Tailândia, fiz um aquário de 12 metros com 12 tubarões, a casa era toda neutra visualmente, por fora inteira em madeira, [...] um paisagismo extremamente agressivo. [...] E assim fui indo. Sempre bati muito nessa questão da arquitetura, foi dando certo essa marca, que o mercado começou a imitar [...]. Foi quando todo mundo começou a subir a régua, pois, além de eu fazer tudo com arquitetura, eu era serial. 
Fachada do Limone, restaurante voltado ao público jovem.
Fachada do Limone, restaurante voltado ao público jovem. | Lalo Zanini/Divulgação

HAUS - Você pontua muito a questão da arquitetura estar presente desde as primeiras operações que encampou, mas já comentou em outras ocasiões que isso vem também da sua criação? Pode voltar à sua história?

LZ - Eu comecei a minha carreira, ainda bebê, como modelo. Fui modelo até quase os 17 anos. A minha família é de pintores, de artistas, ceramistas, da Itália. Minha mãe era uma decoradora importante na época dela, ela fazia muita coisa. E eu sou filho temporão, então trabalhava muito com a minha mãe. Com 10 anos eu já tinha noção de estética, até pelo ambiente familiar. Era muita cultura envolvida, aquela família europeia.

HAUS - Você já comentou brevemente, mas eu gostaria de aprofundar: como essa relação que alimenta desde sempre com a estética se reflete nos seus empreendimentos? Em que etapa do desenvolvimento dos empreendimentos, sejam dos seus negócios ou dos negócios para os quais você presta consultoria, essa preocupação com a arquitetura entra?

LZ - Na primeira! Eu crio o nome e crio um DNA na minha cabeça. Eu não sou arquiteto, mas faço todos os projetos, participo 100% dos projetos. Eu sei fazer, mas não sei desenhar, infelizmente, então tenho arquitetos com quem trabalho e que sabem como eu penso. Quando eu penso nos nomes [dos estabelecimentos], eu não penso nem no cardápio. Penso na arquitetura primeiro, no que vou entregar de arquitetura. Na sequência faço o cardápio. O meu processo de criação [...] é totalmente voltado para a arquitetura. 
Mondo Pane, uma das operações criadas por Lalo Zanini
Mondo Pane, uma das operações criadas por Lalo Zanini | Lalo Zanini/Divulgação

HAUS - Essa inversão é o que faz dos seus empreendimentos diferenciados?

LZ - Eu falo que não sou um restaurateur [pessoa que abre e gerencia profissionalmente restaurantes], eu sou um varejista, um varejista com cabeça de arquiteto. Se eu precisar mudar o cardápio dez vezes, eu mudo. Se precisar mudar 30 vezes, mudo. Sou mutante, não me apego a nada. 
Há dois tipos de restaurantes: o reformável e o restaurável. O restaurável é aquele que daqui a cem anos não vai mudar o quadro da parede. Eu faço o restaurável e o reformável. Gosto mais do restaurável, sou mais clássico e sei que a longevidade é maior. Mas o reformável também é interessante.

HAUS - Para você o investimento em arquitetura é muito claro, mas, para algumas pessoas, ele ainda é visto como custo. Do ponto de vista do investimento, qual a participação do projeto arquitetônico e de design de interiores nos seus negócios? 

LZ - Meu foco de investimento... é óbvio que o negócio tem que parar em pé, mas eu não abro mão da arquitetura, desde que ela seja guiada por mim. Como eu olho com o olhar do arquiteto, com o olhar do dono de restaurante e com o olhar do varejista, eu sei exatamente onde o arquiteto pode chegar e sei quanto ele pode gastar. Eu domino [a arquitetura] dentro da minha mediocridade, e sei exatamente o que eu quero. Não sou arquiteto, não sou projetista, eu preciso [de suporte]. [Por exemplo,] eu não fico na cozinha, cozinhando, mas eu domino o que faço. Participo dos cardápios, sei o que vende, mas quem faz é quem é bom para fazer. Não tenho a pretensão de virar arquiteto. 
Lalo está à frente da concepção e ambientação dos seus restaurantes. Na foto, Tartuferia Giapponese
Lalo está à frente da concepção e ambientação dos seus restaurantes. Na foto, Tartuferia Giapponese | Lalo Zanini/Divulgação

HAUS - Você tem uma equipe fixa de profissionais de arquitetura que trabalham com você ou ela muda a cada projeto?

LZ - Trabalho com várias equipes, não sou preso a ninguém. 

HAUS - Você se capacita constantemente. No ramo da arquitetura, costuma acompanhar feiras, eventos, lançamentos de produtos voltados ao mercado arquitetônico para trazê-los para seus empreendimentos? 

LZ - Faço tudo via internet. Tudo o que você imaginar. Eu sou um curioso, passo o dia lendo, acompanhando tendências de moda, principalmente. 

HAUS - O setor de arquitetura e design é muito ligado às tendências? Como elas afetam suas decisões sobre os projetos das operações? 

LZ - Com o volume de leitura que eu faço, gero um conhecimento empírico muito agressivo. Eu acho que esse conhecimento empírico acaba me dando o “cheiro” da tendência. Em muitos anos eu acerto qual vai ser a cor do ano porque eu estou vendo o que está acontecendo. Sou quase um pesquisador. 

HAUS - Como avalia a percepção do cliente para o investimento em um projeto arquitetônico e de design de interiores dos estabelecimentos gastronômicos? Ela já é objetiva, no sentido dele chegar ao restaurante e reconhecer ali esse valor, ou ainda é mais subjetiva?

LZ - Hoje, eu diria que a arquitetura é fundamental em um restaurante. O que os arquitetos precisam aprender é a fazer esse link do arquiteto e do dono de restaurante. 

HAUS - Gostaria de deixar uma mensagem final? 

LZ - Meu DNA sempre foi a inovação. Eu fui quem colocou o bitcoin no mercado gastronômico do mundo [...], inventei o hambúrguer de picanha. Faço consultoria para restaurantes, mas também para empreendimentos que não são restaurantes. Sou essa pessoa curiosa. 

Enquete

Você sabe quais são as vantagens de contratar um projeto de arquitetura para sua obra de reforma ou construção?

Newsletter

Receba as melhores notícias sobre arquitetura e design também no seu e-mail. Cadastre-se!